20 - Lisossomos

20.1. Estrutura dos Lisossomos

Os lisossomos são corpúsculos geralmente esféricos, constituídos por uma membrana que envolve enzimas hidrolíticas. A membrana lisossômica não é atacada pelas enzimas que envolve, uma vez que a camada interna é revestida por mucopolissacarídeos, produzidos pelo complexo golgiense durante a formação do lisossomo.

As enzimas presentes no lisossomo são produzidas no retículo endoplasmático rugoso e encaminhadas ao complexo golgiense onde serão finalizadas e darão origem ao lisossomo. As vesículas lisossomais que ainda não estão participando do processo de digestão (fagocitose ou pinocitose) são chamada de lisossomos primários.

20.2. Funções dos Lisossomos

O lisossomo é responsável por três funções celulares: heterofagia (fagocitose ou pinocitose), autofagia e autólise.

Heterofagia (fagocitose e pinocitose)

A heterofagia consiste na digestão de partículas englobadas pela célula seja por fagocitose (emissão de pseudópodes) ou pinocitose (invaginação da membrana) (video 1). Os lisossomos recém-formados, denominados lisossomos primários, fundem-se com as vesículas de fagocitose ou fagossomos e com as de pinocitose ou pinossomos (Video 1), resultando um vacúolo digestório heterofágico, também chamado lisossomo secundário. No interior deste vacúolo digestivo, dá-se a digestão do material ingerido pela célula. Ao vacúolo digestório que contém material não digerido dá-se o nome de corpo residual. Circulando pelo citoplasma, o corpo residual entra em contato com a membrana da célula, funde-se com ela e elimina os produtos para o meio externo. Tal processo é denominado exocitose, clasmocitose ou defecação celular (fig.1).

Figura 1 : Esquema destacando cada uma das etapas da heterofagia (fagocitose e pinocitose).

Vídeo 1:Filmagem microscopia de uma ameba fagocitando um paramércio.

Autofagia

Consiste na digestão de estruturas celulares. A autofagia caracteriza-se pelo aparecimento de vacúolos autofagossômicos, contendo estruturas celulares, mitocôndrias, cloroplastos etc. As membranas de tais vacúolos seriam originadas no retículo endoplasmático liso ou complexo de Golgi.

A autofagia é um processo de renovação das estruturas celulares, substituindo organelas velhas por novas.

Autólise

Consiste na ruptura da membrana lisossômica liberta as enzimas hidrolíticas que provocam digestão e desintegração celular (autólise). Isso ocorre, por exemplo, na regressão da cauda dos girinos durante a sua metamorfose em sapos.

A autólise também é um dos processos responsáveis pela desintegração dos cadáveres. Além disso, nosso sistema imunológico lança mão deste processo quando uma célula está infectada por vírus, e afim de evitar a propagação a autólise é ativada.

Referências:

  • JUNQUEIRA, Luis C. & CARNEIRO, J. "Biologia Celular e Molecular". Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1991. 5ª Edição. Cap. 1.

  • OLIVEIRA, Óscar; RIBEIRO, Elsa & SILVA, João Carlos "Desafios Biologia". Editora ASA, Porto, 2007. 2ª Edição. Cap.1.

  • AMABIS, JOSÉ MARIANO; MARTHO, GILBERTO RODRIGUES. Volume 1: Biologia das células – 3. Ed. – São Paulo: Moderna, 2010.

  • NELSON, D. L.; COX, M. M. Lehninger: Princípios de Bioquímica. 3ª ed., Sarvier, 2003

  • Krukemberghe Fonseca. «Retículo endoplasmático». R7. Brasil Escola. Consultado em 11 de agosto de 2013

Créditos das imagens:

Cabeçalho: Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/colin00b-346653/?utm_source=link-attribution&amp;utm_medium=referral&amp;utm_campaign=image&amp;utm_content=2213009">Colin Behrens</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&amp;utm_medium=referral&amp;utm_campaign=image&amp;utm_content=2213009">Pixabay</a>

Figura 1 - Adaptação de Pearsan Education, Inc. Publishing as Benjamin Cummings.